quarta-feira, março 24, 2010

DESEJO

Gosto... deste corpo esbelto, singular e quente que se estorce, às vezes, em bacanal luxúria, como se descendesse de legendária fúria, e em vez da mulher fosse a serpente. Gosto... deste beijo ardente, dessa taça impura em cujas espumas se me afiguram sempre. As vibrações estranhas, das forças transcedentes, numa dose de vinho, de ópio e de loucura. Gosto da poesia mágica, deste corpo esguio que envolvo, às vezes em apaixonado amplexo, como se arrastado por um caudaloso rio... E, arrastado frêmo nas garras do complexo, sobre esse corpo estético, vaporoso e frio que de súbito explode, na redenção do sexo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário